INFRAESTRUTURA DE PORTOS

Segundo o World Economic Forum (The Global Competitiveness Report 2016-2017) o Uruguai é o segundo país da América do Sul em qualidade de infraestrutura portuária. No Uruguai existem 15 portos, dos quais 8 são portos comerciais, localizados em diversas regiões do país: Montevidéu, Nueva Palmira, Colonia, Fray Bentos, Paysandú, Juan Lacaze e La Paloma são regidos por um regime de porto livre, e Salto.

O Porto de Montevidéu, localizado sobre o Rio da Prata, posiciona-se geograficamente como uma das principais vias de mobilização de cargas do MERCOSUL. O regime de Porto Livre o transformou no primeiro e único terminal da costa atlântica da América do Sul com um regime logístico atrativo e competitivo para o trânsito de mercadorias. É o principal porto comercial do país e tem uma mobilização anual aproximada de 10 milhões de toneladas, 500.000 passageiros (serviços entre Buenos Aires e Montevidéu) e 120 cruzeiros. No Porto de Montevidéu confluem as principais vias de acesso para o resto do país e, portanto, para a região.

O movimento de mercadoria nesse porto evidenciou um forte crescimento nos últimos anos: em 2011 alcançou um recorde de 11.298 mil de toneladas, registrando 10.535 mil toneladas em 2015. Esse crescimento também se refletiu no movimento de contêineres e de TEUs[1] que, após alcançar valores recorde em 2011 (861.164), manteve níveis elevados em 2015 (811.297).

Quadro Nº1 – Infraestrutura do Porto de Montevidéu

Porto de Montevidéu

Profundidade canal de acesso (m) 12
Profundidade máxima no cais (m) 14
Área portuária (ha) 103
Área complementar – Puntas de Sayago (ha) (em construção) 110
Comprimento de cais em portos multifuncionais e contêineres (m) 4.100
Guindastes pórticos para contêineres 7

Fonte: Elaborado por Inalog com base em dados da Administração Nacional de Portos.

  

Gráfico Nº1 – Movimento de contêineres no Porto de Montevidéu – Milhares de unidades

1

 

 

 

 

 

 

 

 

Fonte: Elaborado por Inalog com base em dados da Administração Nacional de Portos.

O Porto de Nueva Palmira possui duas importantes vantagens: sua localização no ponto de saída ao exterior da Hidrovia Paraná-Paraguai-Uruguai e seu regime aduaneiro e fiscal de Porto Livre ou de Zona Franca. É o segundo porto em importância do país e se caracteriza pelo transporte de grãos e celulose, com um movimento anual de cerca de 11 milhões de toneladas.

Quadro Nº2 – Infraestrutura do Porto de Nueva Palmira

Porto de Nueva Palmira

Profundidade canal de acesso Martín García (m.) 9,75
Profundidade canal de acesso Mitre (m.) 10,36
Comprimento de cais oceânicos em portos multifuncionais (m.) 810
Comprimento de cais fluviais em portos multifuncionais (m.) 850
Área multifuncional – sem considerar silos/depósitos (ha.) 3
Depósitos: capacidade de armazenamento (ton.) 632.000

Está localizado na confluência dos rios Paraná e Uruguai, a 270 km de Montevidéu e a 110 km de Colonia por via terrestre. Mobiliza exportações do Uruguai e outras – como carga em trânsito proveniente do centro do continente – especialmente do Paraguai, através da Hidrovia Paraná-Paraguai-Uruguai.[2]

[1] A sigla TEU (acrônimo do termo em inglês Twenty-foot Equivalent Unit) representa a unidade de medida de capacidade do transporte marítimo em contêineres. Uma TEU é a capacidade de carga de um contêiner normalizado de 20 pés. As dimensões exteriores do contêiner normalizado de 20 pés são: 20 pés de comprimento x 8 pés de largura x 8,5 pés de altura.

PORTO DE MONTEVIDÉU

1Cais C: Esse cais comercial tem um comprimento de 380 metros com uma profundidade máxima de 14 m, bem como uma esplanada de apoio de aproximadamente 3,5 ha com suas correspondentes instalações auxiliares e uma doca para manobras de navios.

Está voltado a atender a demanda existente e a geração de um novo ancoradouro multifunção para navios de última geração. A estrutura do cais é apta para operação de equipamento especializado para a atenção do tráfego de navios porta-contêineres, graneleiros e polivalentes. Existem facilidades de serviço contra incêndios, fornecimento de água potável, conexão de energia, de esgoto e de tratamento e reuso de águas cinzas.

 

Novo Acesso ao Porto de Montevidéu:

Permitirá potenciar a relação porto-cidade, conseguindo separar o tráfego de veículos de carga dos veículos de mobilidade urbana, por meio da construção de um viaduto auto rodoviário sobre a orla portuária, evitando engarrafamentos e reduzindo tempos de espera.

Terminal Especializado em Graneis Sólidos:

2Esse terminal especializado está situado em um prédio de 7,5 ha localizado no extremo norte do recinto portuário, está previsto para o acúmulo e embarque de chips de madeira com uma área de estiva para 7.000 t e possui uma área de silos com capacidade de armazenagem de 120.000 t ampliável até 210.000 t para o acúmulo de grãos totalmente automatizada. Prevê o funcionamento de duas correias transportadoras, três plataformas com torres de elevação com uma capacidade de carga de 2.400t/hora, um ancoradouro para navios Panamax interoceânicos com alinhamento paralela ao dique de cintura e profundidade de 13,00mW, com quatro pontos de amarração e dois cabeços de amarre, também emprazados ao lado do dique. Terá também um cais de folhas pilhas metálicas apropriado para barcaças semi-oceânicas. Visualiza-se a possibilidade de incrementar os volumes de graneis mobilizados no Porto de Montevidéu por meio de operações de Top Off[3]
Identificou-se a possibilidade de captar mais de 400.000 toneladas de produção de soja com origem nas bacias dos rios Paraná e Uruguai.

Essas operativas permitirão gerar novos tráfegos provenientes da área de influência dos portos argentinos ligados às hidrovias dos rios Paraná e Uruguai.

Terminal Pesqueiro-Porto Capurro:

3O objetivo é trasladar até o lado norte da baia de Montevidéu as frotas pesqueiras que habitualmente operam no Cais Mántaras.

Recentemente se construiu uma terraplenagem de 2,5 ha para o estabelecimento de um Terminal de Pesca que substitua as instalações dentro do porto atual. Está se procedendo ao desmantelamento dos prédios obsoletos na área adjacente à orla, para dar maior amplitude e acesso aos estacionamentos requeridos. Além disso, progrediu-se no estudo e autorização da viabilidade e da avaliação de impacto meio-ambiental perante os organismos competentes.

O acesso marítimo a esse terminal previsto para a operativa de navios de pesca nacional e internacional compartilha o canal com o Terminal La Teja.

Assinou-se um contrato com um consórcio empresarial conformado por Teyma, Chediak e Lavigne para a construção do Terminal Pesqueiro Capurro, uma área especializada para a atracação de navios de pesca.

As empresas têm nove meses para adequar o projeto do terminal pesqueiro e mais 30 meses para concretar a construção, tendo como data de finalização o ano de 2019.

Atualmente, está operativo de forma provisória no local um estacionamento para a espera de caminhões que se dirigem ao porto, evitando desse modo a aglomeração e interrupção do trânsito da cidade.

PORTO LOGÍSTICO PUNTAS DE SAYAGO

4A Administração Nacional de Portos (ANP) se propõe desenvolver comercial e urbanisticamente o prédio localizado sobre a denominada área Punta Sayago que, com ribeiras sobre o Rio da Prata, encontra-se a 5,5 milhas náuticas (aproximadamente 10 km) do canal de acesso ao Porto de Montevidéu, a 5 km da intersecção entre a Rodovia Nacional N° 1 e o caminho Tomkinson, a 8 km do coletor das Rodovias Nacionais N° 1 e N° 5, e a 15 km do “nodo Peñarol”, correspondente à rede ferroviária nacional.

Puntas de Sayago constitui a iniciativa de expansão, no prazo médio, mais importante do organismo, contribuindo com novos benefícios como: liberação de espaços no recinto portuário, alívio da congestão do trânsito rodoviário, eficiência no tratamento da carga e fortalecimento da relação Porto-Cidade.

5Nessa ampla área localizada ao oeste da cidade se espera a instalação de empresas de logística e o desenvolvimento de um novo centro de distribuição que facilitará a entrada e saída de mercadorias regionais ou internacionais através do Uruguai consolidando o Porto de Montevidéu como Porto Hub.

O Polo Logístico Punta Sayago é ideal para complementar a área terrestre do Porto de Montevidéu. O objetivo é alcançar a ampliação da capacidade de infraestrutura portuária, relacionar atividades e serviços conexos à atividade portuária e melhorar a eficiência logística do Sistema Portuário Nacional e Regional.

 
 
 

PORTO DE NUEVA PALMIRA

Esplanada de Caminhões: Fora do recinto portuário e recentemente interconectada informaticamente, age como centro de distribuição de cargas entre as praias de estacionamento e os terminais portuários.

A superfície da esplanada é de 2 ha aproximadamente. Está administrada pela ANP e foi acondicionada com pavimento de concreto nas entradas, iluminação, banheiros, tecido perimetral, entre outros.

Amarres no Rio Uruguai: Com a finalidade da facilitar e ampliar a oferta de espaços disponíveis para a operativa portuária, foram incorporadas ao sistema áreas de fundeio específicas no Rio Uruguai ao serviço do Porto de Nueva Palmira, com as condições de segurança e flutuação requeridas pelas regulamentações marítimas.

Área de Alijo e Complemento de Carga Punta Arenal

Com a mesma finalidade do ponto anterior, de facilitar e ampliar a oferta de espaços disponíveis para a operativa portuária, incorporou-se uma área habilitada e específica onde podem se efetuar transferências de carga entre navios ou barcaças de graneis, com as condições de segurança, amarre e flutuação requeridas pelas regulamentações marítimas.

PORTO LA PALOMA (ROCHA)

O porto está situado no leste do Uruguai, sobre águas oceânicas do Atlântico, no cabo de Santa María e com acesso terrestre do cruzamento das rodovias nacionais N° 10 e N° 15, a uma distância de 240 km de Montevidéu.

Atualmente, serve fundamentalmente a embarcações pesqueiras, da Armada e esportivas, e recentemente se encomendou à ANP as funções de administração, conservação e desenvolvimento do porto de La Paloma.

As atividades do porto focam na carga de rolos de madeira para serem transportados por navios até o porto de Fray Bentos, bem como atividades de navios de aprovisionamento para operativas offshore. Além disso, estão sendo analisadas e exploradas diferentes oportunidades comerciais de desenvolvimento nesse porto.

PORTO DE FRAY BENTOS – OBRAS DE DESENVOLVIMENTO

O Porto de Fray Bentos está localizado na cidade do mesmo nome, sobre a margem esquerda do rio Uruguai, a 317 km de Montevidéu.

Integrado à fértil região agrícola e pecuária do litoral oeste uruguaio, o Porto de Fray Bentos possui um ágil sistema de correias transportadoras de grãos com uma capacidade de carga de 500 t/h e uma capacidade de descarga de 120 t/h.

Tem dois cais de embarcação de concreto: o cais transatlântico ou de ultramar, de 200 m com 34 m de largura e o cais de cabotagem ou de união com uma extensão de 225 m de comprimento por 22 m de largura.

No fim de 2015 se realizou a abertura da licitação pública para o fornecimento de um Guindaste Móvel para operar no Porto de Fray Bentos. Além disso, adquiriu-se um em uma região próxima, separada por 245 metros de distância do porto, com uma superfície de 7 ha aproximadamente.

HIDROVIA PARAGUAI-PARANÁ (HPP)

O objetivo principal da hidrovia é favorecer as comunicações fluviais otimizando a navegação de barcaças e rebocadores durante a maior parte do ano.

A HPP está definida sobre a base de uma estratégia de transporte fluvial ao longo do sistema hídrico, em um trecho compreendido entre o Porto de Cáceres (Brasil) no seu extremo norte e o Porto de Nueva Palmira (Uruguai) no seu extremo sul.

Os países que compartilham esse sistema fluvial são Argentina, Bolívia, Brasil, Paraguai e Uruguai.

A HPP tem uma extensão de 3.442 km e abrange os rios Paraguai e Paraná, incluindo os diferentes braços da desembocadura do Rio Paraná.

A maior parte das mercadorias transportadas pela HPP são commodities, como graneis em geral, cereais, fertilizantes, combustíveis. Em matéria de carga de exportação do Paraguai e da Bolívia, a soja é o produto mais mobilizado, que tem como principal destino o continente asiático. O Porto de Nueva Palmira capta aproximadamente 30% do total de exportação de soja do Paraguai.

No que diz respeito ao Porto de Montevidéu, o total de movimentos de contêineres de transbordos origem e destino Paraguai alcançou a cifra de 93.927caixas em 2015 experimentando um crescimento de 28% em relação ao volume do ano anterior. Esse mercado representou 44% do total de contêineres de transbordos que captou o Porto de Montevidéu no ano.

[1] O acrônimo TEUs (sigla de Twenty-foot Equivalent Unit Equivalente a palavra Inglês) representa a unidade de medida do capacidade de transporte por contentor. Um TUE é a capacidade de um recipiente padrão de 20 pés. As dimensões exteriores do contêiner de 20 pés padrão é 20 pés de comprimento x 8 pés de largura x 8,5 pés de altura.

[2] Fonte: Elaborado pelo Uruguay XXI com base em dados da ANP. Nota: Corresponde a mercadoria, sem o peso dos recipientes. Ele não inclui os produtos mobilizados no cais “La Teja” ANCAP.

[3] Operação Top Off: Operação na qual o operador pode carregar um navio completo ou completar navios provenientes de regiões com menor profundidade, tendo espaço disponível no porão.